Entrevista: Ken Thonpila


Da Redação
30/03/2016

Apaixonado pela fotografia macro, Ken adora fotografar nudibrânquios e criou em 2011 um grupo no Facebook chamado Underwater Macro Photographers (UWMP), que rapidamente se tornou popular na comunidade de fotografia subaquática e hoje tem mais de 34 mil membros

 

 

Meio australiano, meio tailandês, Ken Thonpila mora e trabalha em Sydney. Vencedor de vários prêmios de fotosub sendo destaque em revistas e websites de mergulho. Participa como jurado de concursos e shootouts locais e internacionais de fotografia.

Tem o mergulho e a fotografia subaquática como hobby desde 2003. Apaixonado pela fotografia macro adora fotografar nudibrânquios. Em Setembro de 2011 criou o grupo no Facebook Underwater Macro Photographers (UWMP) que rapidamente se tornou popular na comunidade de fotografia subaquática e hoje tem mais de 34.000 membros de todo o mundo. O objetivo do grupo é “compartilhar, aprender e inspirar uns aos outros”.

Em conjunto com a gestão do grupo no Facebook, produz e edita o UWMP eNews, uma revista online periódica que fornece aos membros dicas e técnicas para tirar fotos impressionantes de pequenos e exóticos seres marinhos. Mais de 600 fotografias são postadas a cada mês e entre elas são selecionadas as top 10 nas categorias DSLR e câmera compacta para serem incluídas na revista.

 

 

Como o grupo UWMP nasceu?

O grupo nasceu como um monte de boas ideias no mundo – a partir de uma frustração. Eu não estava conseguindo encontrar o que precisava para melhorar minha fotografia macro subaquática e elevá-la a um nível superior. Decidi pesquisar em livros e sites, mas não encontrei o que estava buscando. Então entrei no Facebook, me tornei amigo de fotógrafos subaquáticos de outros países e nós começamos a compartilhar algumas dicas uns com os outros. Foi assim que encontrei algumas das respostas que estava buscando. Pensei que se isso havia me ajudado, poderia ajudar outros também. A partir dessa experiência, em setembro de 2011, criei o grupo no Facebook chamado “Underwater Macro Photographers” (UWMP), que começou com 130 membros e o objetivo de “Compartilhar, Aprender e Inspirar uns aos outros”.

 

O que exatamente é o UWMP? Como a postagem de fotos funciona?

Somos um grupo dedicados especialmente à Fotografia Subaquática Macro, e não aceitamos fotografia grande angular ou vídeos de tubarões ou mantas, por exemplo.

Qualquer membro do grupo pode postar no máximo duas fotos por dia. Em cada foto devem ser incluídos detalhes básicos do equipamento fotográfico utilizado, a configuração específica da foto e local onde foi tirada. Para se tornar um membro você precisa ter uma conta no Facebook e fazer um pedido de adesão ao grupo a partir do seguinte link: https://www.facebook.com/groups/underwatermacrophotographers/

Quantos posts o UWMP recebe por dia?

Nós recebemos cerca de 20 a 35 fotos por dia e de 600 a 800 fotos por mês.

 

Como você vê a jornada do grupo depois de 3 anos e mais de 33 mil membros?

Para ser honesto, eu não esperava mais de 33 mil membros. Fiquei muito feliz quando, após o primeiro mês, tivemos mil membros. Nos últimos três anos a jornada tem sido incrível para mim e para o UWMP. Os membros postam ótimas fotos e estão dispostos a compartilhar informações sobre o que aprendem e o que pensam. Eu vejo muitos membros melhorando a sua fotografia macro, inclusive eu mesmo.

 

A que você atribui o sucesso do grupo? Você esperava que tudo isso fosse acontecer?

Eu não esperava que a ideia fosse despertar o interesse de tantas pessoas. Acredito que o objetivo do grupo: “Compartilhar, Aprender e Inspirar uns aos outros”, descreve com precisão a nossa causa. Todo membro que compartilha suas fotos e os respectivos detalhes permite que outros membros aprendam e, espero eu, se sintam inspirados a tirar fotos ainda melhores. Para alguns membros novatos na fotografia subaquática estas informações servem como referência útil e ideias sobre como se preparar para tirar fotos em seus próximos mergulhos com temas semelhantes. Além disso, os membros gostam de saber o que os outros estão fazendo e são capazes de fazer.

 

Como uma ferramenta como o Facebook contribui para este sucesso?

O Facebook é a ferramenta perfeita para o UWMP. É fácil de usar, de manter contato e compartilhar fotos com a família e amigos. A maioria das pessoas já está familiarizada com essa ferramenta. Há aí o botão “curtir” para clicar quando alguém gosta de alguma foto, mas não quer escrever nada naquele momento. Tem um espaço para comentários que notifica o membro que postou a foto imediatamente para que este possa responder. É ótimo para a comunicação e para obter feedback rapidamente.

 

Gerenciar um grupo de mais de 33 mil membros em uma rede social deve ser uma tarefa difícil de realizar. Como você divide suas tarefas diárias com a administração do grupo?

É realmente difícil gerenciar um grupo grande. Eu passo muito do meu tempo livre – cerca de 3 a 6 horas por dia – monitorando o grupo, respondendo mensagens de membros e também planejando todas as atividades para os membros. Com um grande número de membros como este, eu não poderia realizar essa tarefa sem a grande ajuda voluntária de Chris Spence, Frederic Juneau, Chris Kroll e Elly Jeurissen. Eles monitoram os posts de spam, autopromoção ou publicidade, o que não é permitido no grupo. Dessa forma todos os membros podem ter acesso apenas a belas fotos sem serem perturbados por spam.

 

Como os encontros do UWMP são criados e preparados?

Cerca de sete meses depois de eu ter criado o UWMP, tive a ideia de reunir membros interessados. Eu não queria que fosse uma viagem em que as pessoas apenas mergulham juntos ou realizam um workshop e tem que pagar extra para isso. Então, decidi criar um encontro UWMP com tudo incluído e em que os membros pudessem mergulhar, fotografar, e ter acesso a palestras e apresentações à noite como oportunidade para aprender o máximo possível uns com os outros.

Eu organizo um resort a cada ano e planejo algumas atividades simples. Desde a manhã até as 17h todos podem desfrutar de mergulho e às17h realizamos uma apresentação de 1 hora de membros experientes do grupo ou alguém da nossa equipe de administração, inclusive eu. As apresentações contêm informações úteis para que os membros possam aprimorar sua fotografia macro subaquática. Então nós jantamos juntos e logo depois alguns membros podem decidir fazer um mergulho noturno ou conversar e compartilhar algo útil com o grupo.

 

Realizar um encontro com pessoas de todo o mundo pode ser uma tarefa difícil também. Em Tulamben havia 51 membros do UWMP de 17 países diferentes. Como foi a experiência de organizar e administrar o evento?

É um trabalho muito difícil organizar um evento como esse, e também uma grande responsabilidade. Na verdade eu não estava curtindo muito mergulhar pois estava sempre preocupado em garantir que os membros aproveitassem o máximo. Eu adoro conversar com as pessoas e dei prioridade a isso. Tudo correu bem porque tivemos excelentes membros entre nós e a grande ajuda da equipe de administração do UWMP como Chris Spence e sua esposa, Erik Goossens e sua esposa, Marjon Phur e Sue Myburgh. Assim tudo correu bem.

 

Você esperava que pessoas de lugares distantes como o Brasil estivessem presentes?

Não, eu não esperava que membros de tão longe fossem se juntar a nós, mas temos membros de todo o mundo então eu esperava que talvez um dia isso acontecesse. Então, quando eu recebi uma mensagem via facebook do Fabio Freitas dizendo que estava interessado em juntar-se à 2ª reunião UWMP em Tulamben com seus amigos fotógrafos, isso fez o meu dia! Fiquei muito feliz e isso me deu mais energia para tornar o evento ainda melhor do que a primeira vez.

 

 

Qual é a sua opinião sobre a participação dos fotógrafos no evento? E sobre os fotógrafos brasileiros?

Eu estava um tanto preocupado sobre um grupo maior ter aderido ao evento, mas ao final isso não representou problema algum. Todos foram muito simpáticos uns com os outros, e ficaram satisfeitos com os mergulhos e as instalações do resort. Isso tornou o meu trabalho mais fácil e feliz.

Os fotógrafos brasileiros vieram com excelente atitude e dispostos a compartilhar e aprender com todos. Eles se misturaram bem com todos os membros, e se por vezes a diferença de idioma foi um desafio, percebemos que nem sempre precisávamos falar, pois bastava olhar nos olhos, expressão facial e corporal uns dos outros e todos se entendiam. Na minha opinião eles têm um grande líder da equipe – o Fabio, totalmente inspirador e respeitado entre eles e entre todos nós também. Eles nunca se queixaram de nada e nunca perdiam um só mergulho.

 

Você participou do último Campeonato Brasileiro de Foto Subaquática como jurado. Como você avalia sua participação? Qual é a sua opinião sobre a importância de sua participação para o intercâmbio cultural em fotografia subaquática?

O Campeonato apresentou um sistema de avaliação muito interessante, e diferente do que eu costumo participar como jurado. Eu realmente gosto do sistema e o considero justo e um ótimo sistema para os competidores. Eu não aprecio política e penso que é muito importante ter uma competição livre de política como ocorre com o Campeonato Brasileiro de Foto Subaquática. Meus cumprimentos aos organizadores.

O sistema brasileiro me permitiu fazer comparações com outras competições em outras partes do mundo, bem como aprender diferentes formas de organizar competições, como as fotos são apresentadas e o sistema de avaliação.

 

Fotos: Divulgação

Compartilhe:

Notícias

Mais acessadas


    Previsão completa


    Revista Mergulho n° 232 – Já nas bancas!

    Compre já seu exemplar!





    Assine nossa newsletter

    Fique por dentro

    Receba as novidades do mundo náutico